SOLTA A MANDINGA – Berimbau

Primeira edição, Novembro 2012:

Picolé


“No início, a relação com você não foi fácil…

Me lembro da primeira vez que te vi,
Estava encostado na parede da academia, armado..
Uma peça única: linear, fino, elegante… os traços de uma forma insólita..
Não entendia o que era, nem qual era a tua arte…
Te estudei durante um tempo… te observei… me transmitia curiosidade..
Depois o mestre pegou em você, leve, te trouxe para perto do peito, e tocou….
Com a mesma facilidade com que se escreve, ou se usam os talheres..
Ele te tocou, simplesmente… depois juntou a sua voz e tudo se uniu à beleza do momento..
Naquela noite, te encontrei pela primeira vez, e fiquei desconcertada..
Na mesma em que me apaixonei pela capoeira.. e ainda não o sabia..
Na mesma noite onde me explicaram um pouco sobre ti..
Me disseram que o seu nome é berimbau, que vem de um lugar distante e que traz junto a história de um povo…
Que é um instrumento musical de uma corda de arame, feito de madeira e de magia, com uma cabaça que te abraça em baixo e que amplifica o som da tua voz..
Me disseram também que quem te toca te deve carregar com o mindinho da mão, com o mindinho caracas!
E com a mesma mão segurar uma pedra que se apoia no arame e se distancia seguindo um ritmo certo..
Depois na outra mão tem que segurar uma baqueta de madeira e bater no arame, de onde nascem os vários toques..
Resumindo no início era verdadeiramente complicado..
A nossa relação era feita de divergências… tínhamos poucos pontos em comum..
Talvez tenha sido por esses que viramos grandes amigos..
Te armar não conseguia mesmo, apesar dos meus esforços inúteis..
Não tinha equilíbrio para te manter direito e balançava como um pêndulo…
E depois muita dor no dedo mindinho, por um pouco formigando, em seguida insensível…
A baqueta, ainda lembro bem, sempre batia nos meus dedos, em vez de tocar no arame…
E às vezes me voava da mão, arriscando de bater em alguém, mas normalmente voava para trás de mim…
No início era isso, no meio de toda aquela confusão esperava pelo menos conseguir emitir um som que tivesse um ritmo… uma frase que tivesse um sentido….
Mas naquela noite você me acompanhou até casa…
E depois ficou comigo, cada vez mais veio para fazer parte da minha vida quotidiana…. Tanto é que não foi mais embora….
Devagar você se mudou para o meu coração e lá se sentou… junto com todos os meus afectos…
Adoro te ouvir quando o meu mestre toca, ele te dá alma!
Eu vejo… assim relaxo, com você…
Naquele som quase hipnotizante vive uma história antiga e eu gosto sempre de imaginar mil situações…
Agora por sorte em todo este caos consigo ter uma postura, e te manter em equilíbrio, me divertindo, levada pela energia, seguindo com a voz o teu som, que agora, ao contrário de antes, sai limpo, cheio, seguro, faz eco dentro de mim…
Agora finalmente consigo me sentir….
É um pouco como quando escrevo…
A nossa relação cresceu, agora há aquela confiança, eu a sinto…
Se não estou com você por um pouco sinto saudade…
Já nos tornamos íntimos, mas às vezes, não escondo, a baqueta ainda me foge da mão…”

“All’inizio, il rapporto con te, non è stato facile…

Mi ricordo la prima volta che ti ho visto..
eri appoggiato al muro della palestra, già armato..
un pezzo unico: lineare, slanciato, elegante.. i tratti di una forma insolita..
non capivo cosa fossi, nè quale fosse la tua arte..
ti ho studiato per un pò.. ti ho osservato…mi incuriosivi…
Poi il mestre ti ha preso, leggero, ti ha portato vicino al petto, e ti ha suonato..
con la stessa facilità con la quale si scrive, o si utilizzano le posate…
lui ti ha suonato, semplicemente.. poi ha aggiunto la sua voce e tutto si è unito alla bellezza del momento..
Quella sera ti incontravo per la prima volta, stupita ed entusiasta..
la stessa in cui mi innamoravo della capoeira.. e ancora non lo sapevo…
la stessa sera dove mi hanno spiegato un pò di te..
Mi hanno detto che il tuo nome è berimbau, che arrivi da un posto lontano e insieme con te è la storia di un popolo …
che sei uno strumento musicale ad una sola corda di arame, fatto di legno e di magia, con una zucca che ti abbraccia verso il basso e che amplifica il suono della tua voce…
Mi hanno anche detto che chi ti suona deve sorreggerti con il mignolo della mano,con un mignolo caracas!

e con la stessa mano tenere una pietra che si appoggia sulla corda e si allontana seguendo un certo ritmo..
poi nell’altra mano devi stringere una bacchetta di legno e picchiettarla sulla corda,dalla quale nascono i vari tocchi…
Insomma all’inizio eri davvero complicato..
il nostro rapporto era fatto di divergenze…avevamo pochi punti in comune..
che poi forse è grazie a quelli che siamo diventati grandi amici..
ad armarti proprio non ci riuscivo, nonostante i miei inutili sforzi…
non avevo l’equilibrio per tenerti diritto ed oscillavo come un pendolo..
e poi un gran male al mignolo, diventato per un pò formicolante, poi insensibile..
la bacchetta, me lo ricordo bene, puntualmente picchiava sulle mie dita anziché suonare sulla corda,
e alle volte mi volava via dalla mano, rischiando di colpire qualcuno, ma di solito volava dietro di me..
All’inizio era questo.. in mezzo a tutta quella confusione speravo almeno di riuscire ad emettere un suono che avesse un ritmo.. una frase di senso compiuto..
Ma quella sera mi hai accompagnata verso casa..
E poi sei rimasto con me..sempre di più sei entrato a far parte della mia vita quotidiana.. tant’è che non sei più andato via…
piano ti sei spostato verso il cuore e ti sei seduto lì.. insieme a tutti i miei affetti..
Adoro ascoltarti quando il mio mestre ti suona.. lui ti da un’anima!
io la vedo.. cosi mi adagio su di te..
su quel tuo suono quasi ipnotico vive una storia antica e a me piace immaginarci sopra sempre mille vicende…
Ora per fortuna in tutto quel caos riesco ad avere una postura, a mantenerti in equilibrio,a divertirmi trasportata dall’energia, a seguire con la voce il tuo suono, che adesso, a differenza di prima, esce pulito, pieno, sicuro, che fa eco dentro me..
adesso finalmente riesco a sentirmi..
succede un pò come quando scrivo..
Il nostro rapporto è cresciuto.. ora c’è quella confidenza, la sento..
se non sto con te per un pò mi manchi…
siamo diventati intimi oramai.. anche se a volte, non lo nascondo, la bacchetta mi scappa ancora dalla mano..”

“At the beginning the relationship with you wasn’t easy..
I remember the first time that I saw you..
You were standing at the gym’s wall, already armed..
A single piece: linear, slender, elegant.. the features of an unusual shape..
I couldn’t understand what were you, neither what was your art form..
I studied you for a while.. I observed you.. you made me curious..
Then the master held you, light, he took you near his chest, and he played you..
With the same ease with which you write, or use cutlery…
He played you, simply.. then added his voice and it all came together with the beauty of that moment..
That night I met you for the first time, surprised and excited..
The same where I fell in love with Capoeira.. and still didn’t know it..
The same night where I was explained a little about you..
I was told that you are called berimbau, that you come from a far away land and that you bring along the history of a people..
That you are a musical instrument with a single wire string, made out of wood and magic, with a cabaça that embraces you downwards and amplifies the sound of your voice..
I was told as well that whoever plays you must carry you with the little finger, the little finger caracas!
And with the same hand hold a stone that leans towards the string and moves away with a certain rhythm..
Then with the other hand you must hold a wooden drumstick and tap it on the string, from which the various tones born..
So, at the beginning you were really difficult..
Our relationship was made out of differences.. we shared few points in common..
But perhaps it is because of those points that we became such good friends..
I really couldn’t manage to arm you, despite my unsuccessful efforts
I didn’t have the balance to hold straight and I would swing like a pendulum..
And then great pain in the little finger, at first tingling, then numb..
The drumstick, I remember well, would often beat my fingers instead of playing the string, and at times it would fly away from my hand, risking to harm someone, but usually flying behind me…
At the beginning this was it.. in the middle of all that mess I would hope of at least being able to produce a sound that had a rhythm.. a meaningful sentence..
But that night we walked me home..
And then you kept with me.. always more and more, you became part of my daily life.. so much so that you never left again..
Slowly you moved towards my heart and you sat there.. together with all my affections..
I love listening when my master plays you.. he gives you soul!
I see it.. and so I relax towards you..
With your almost hypnotic sound lives an ancient story and I like to imagine always over a thousand stories..
Luckily now with all that chaos I manage to keep some posture, holding you in equilibrium, having fun possessed by the energy and following your sound with my voice, that now, unlike before, comes out clean, full, strong, echoing inside me..
Now finally I am able to feel..
A little bit as when I write..
Our relationship has grown.. now there is trust, I feel it..
When I am not with you for a while I miss you..
We became close now.. although sometimes, I won’t hide it, the drumstick still flyes aways from my hand…”

Picolé

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 1ª EDIÇÃO, NOV 2012. ligação permanente.

Uma resposta a SOLTA A MANDINGA – Berimbau

  1. Kchos diz:

    Reblogged this on Kchose comentado:
    Berimbau

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s